domingo, 21 de abril de 2019

Criança é resgatada após ser agredida com socos e pedaço de madeira, ter pênis amarrado com elástico e ser torturada pelo pai e a madrasta


Alexandre Max Nunes da Silva e Mariluce de Oliveira, pai e madrasta de um menino de cinco anos, que foram presos, na segunda-feira (15), por torturar a criança, usavam um elástico para amarrar o pênis do garoto, como forma de punição por ele urinar na roupa. O órgão genital do garoto estava ‘em carne viva’, conforme constatou a Polícia Civil.

O menino, ao ser encontrado pelos investigadores no bairro Pedra 90, mal conseguia andar, porque não era alimentado. Ele tinha ferimentos por todo o corpo, além de marcas de queimaduras causadas por cigarro.

As investigações foram coordenadas pela Delegacia Especializada de Defesa dos Diretos da Criança e do Adolescente (Deddica). As prisões aconteceram após uma testemunha fazer uma denúncia anônima, relatando que a criança vinha sendo torturada pelo casal.

O pai agredia o filho com socos e a madrasta usava um pedaço de madeira para agredir o garoto. Ele também era obrigado a ficar de joelhos em grãos de arroz e no concreto quente, como forma de castigo.

O menino estava passando fome e foi levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (Upa). De acordo com a Polícia Civil, o casal foi interrogado na delegacia e confessou as torturas. O Conselho Tutelar investiga o caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Internos da Penitenciária de Caicó ingressaram no Ensino Superior por meio do Enem

Dois internos do sistema prisional do Rio Grande do Norte que cumprem pena na Penitenciária Estadual do Seridó (PES), em Caicó, tiveram ...