sexta-feira, 6 de julho de 2018

Dólar sobe a R$ 3,93, no maior patamar desde março de 2016


O dólar subiu pelo segundo dia consecutivo e ultrapassou os R$ 3,93, no maior patamar desde 1º de março de 2016. Investidores foram guiados nesta quinta-feira por notícias vindas do exterior, como a divulgação da ata do Fed  (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) e a expectativa pela entrada em vigor das tarifas impostas pelos EUA à China, prevista para esta sexta-feira.

A moeda americana avançou 0,53%, a R$ 3,935. O real foi a terceira moeda emergente que mais se desvalorizou nesta quinta, depois dos pesos argentino e chileno. No mês, a divisa brasileira é a que mais perdeu valor ante o dólar, 1,41%. O real vinha apresentando comportamento controlado graças à atuação do Banco Central no câmbio apesar do cenário externo adverso.

O BC está está afastado do mercado desde a metade da semana passada. As notícias vindas do exterior devem continuar pressionando a moeda brasileira. A ata do Fed que houve debate sobre a proximidade de uma recessão e expressaram preocupações de que as tensões no comércio global poderiam atingir a economia americana, que pela maioria dos indicadores parecia forte.

Na reunião, o Fed decidiu elevar a taxa de juros americana para o intervalo de 1,75% a 2% ao ano, e a expectativa segue sendo de dois novos aumentos. “O Fed colocou que os riscos se intensificaram para a economia dos EUA mas, em princípio, continuará subindo os juros”, afirmou o diretor da consultoria Wagner Investimentos, José Faria Júnior. Taxas mais elevadas tendem a atrair à maior economia do mundo recursos aplicados hoje em outras praças financeiras, como a brasileira. Com informações da Folhapress.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abelardo Rodrigues retorna à Prefeitura

O Supremo Tribunal Federal (STF) acaba de deferir o recurso impetrado do prefeito Abelardo Rodrigues e ele volta ao cargo. "Defiro a...