domingo, 1 de julho de 2018

Brasil pode ganhar R$ 28,5 bi com guerra comercial China-EUA


A guerra comercial entre Estados Unidos e China aumenta o potencial de exportação do Brasil para esses dois países em US$ 7,4 bilhões (R$ 28,5 bilhões) ao ano, de acordo com levantamento da CNI (Confederação Nacional da Indústria), feito a pedido da reportagem.

Os EUA anunciaram sobretaxas de 25% sobre 818 produtos chineses, no valor de US$ 34 bilhões (R$ 131 bilhões) em exportações, que passam a valer no dia 6 de julho.
Outros 284 produtos, no valor de US$ 16 bilhões (R$ 61,7 bilhões), serão alvo de consulta pública em 24 de julho e podem ter tarifas depois disso.


Os EUA acusam a China de roubo de propriedade intelectual, por exigir de empresas americanas transferência de tecnologia para estatais chinesas, para terem acesso ao mercado chinês.

A China anunciou tarifas retaliatórias de 25% sobre 545 produtos americanos, em um total de US$ 34 bilhões (R$ 131 bilhões), que também passam a vigorar em 6 de julho.

Pequim avalia uma segunda rodada de sobretaxas sobre US$ 16 bilhões (R$ 61,7 bilhões) em produtos americanos, ainda sem data definida.

De forma geral, o Brasil, como todos os outros países, tende a sair perdendo com a guerra comercial por causa do impacto que essa escalada protecionista pode ter no crescimento mundial e nos preços das commodities.

“Mas o levantamento mostra que há espaços que o Brasil pode ocupar, é hora de as empresas brasileiras se movimentarem, porque EUA e China vão buscar outros fornecedores”, diz Diego Bonomo, gerente-executivo de Assuntos Internacionais da CNI.

Alguns dos produtos americanos que passarão a ser taxados na China já são exportados pelo Brasil, como carne de porco, soja e pescados, e pode haver grande aumento significativo nas vendas.

Cerca de 35% da exportação brasileira de pescados –que incluem peixe, crustáceos e moluscos– é destinada à China.

Os produtos brasileiros pagavam sobretaxa de 12% para entrar no país, e hoje pagam 7%. Grande parte dos exportadores de pescados para a China tem tarifa zero.

“Com os americanos passando a pagar 25% de tarifa, ganhamos competitividade e vamos migrar para o mercado chinês, que vai pagar melhor”, diz Eduardo Lobo, presidente da Abipesca (associação do setor).

Ele espera alta de 12% na exportação, que é de US$ 240 milhões (R$ 925,2 milhões), por causa do redirecionamento das vendas e melhores preços.

No caso de carne suína, o Brasil espera dobrar sua exportação para a China, de 48,9 mil toneladas em 2017 para 100 mil toneladas neste ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rádio patrulha captura foragido da justiça em Assú após vias de fato

Após um chamado através do 190, informando de uma briga entre vizinhos na comunidade rural de Mutamba da Caeira, na tarde de sexta-feira, ...